Que venham seus olhos, suas mentes, suas vozes e através de suas interpretações modifiquem minhas intenções iniciais.

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Nova flor

Nessa data surgiu
Trazendo amor
Maria Alice
No mundo uma nova flor

Depois de surgir
Como uma estrela brilhou
Criando carinho e respeito
Em quem a gerou

Apesar de menina
Seus passos são largos
Com eles as dúvidas
Sobre o certo e o errado

Mas não se preocupe
Em sempre acertar
As escolhas da vida
Vão te ensinar

Certezas podem construir erros
As interrogações novos caminhos
Respostas vêm com o tempo
O tempo para o jovem um amigo

Essa flor ainda hoje
Continua a enfeitar
A vida de todos
Que souberam a amar.

Para uma menina muito especial que vem se tornando uma nova amiga.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Contradição




Quais as certezas da vida?
Acredito que umas delas é que sempre lidaremos com o bem e com o mal
Essas duas forças se revezam
Independente do que desejamos

Temos o direito de mudar de opinião
Isto não se associa a arrependimento
Novos rumos por busca de melhoria!
Confrontando muitas vezes com o que já defendeu

Muitas pessoas expõem na face
Algo antagônico com o que está sentindo
Querendo mostrar força
Ou manter as aparências

Gostaria de te ajudar
Mas você incorporou este sofrimento
Minhas palavras nada causam,
Minhas ações não surtiram efeito
Sem culpa digo que a solução está em você,
que não sabe onde ela se escondeu

Eu sou produto, não tenho embalagem
Não nasci completo
O pouco que sei
Embasa-me a buscar mais o que aprender

Por mais repetitivo e óbvio que se apresente
Por mais simplório que possa parecer
A importância da vida
É o bem viver!

Livre releitura baseada na música contradição da banda "Clube Leonor"

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Instante Pleno

Nossos pés tocam o chão
Chão no mundo, mundo posto no universo
Nossos lábios com o beijo criam uma conexão
Beijo posto, nosso elo

Tudo o que é belo nos alcança nessa hora
Outrora solitários neste instante somos um
Corações descompassados nesse tempo/espaço
Ritmados pelo sentimento confuso e bom
Flutuamos para longe da matéria em outra dimensão

Ao distanciarmos nossas bocas
Ao término desse beijo
Um pouco de um fica no outro
Lacunas internas preenchidas por desejos
A mente padece para assimilar as reações que o corpo sente

Nossas mãos ainda entrelaçadas
Nossos corpos vibrando impedem a mente de agir
Paralisados e hipnotizados não conseguimos fugir
Do que sentimos e do que tememos sentir.


Adriana Muller e Osmar Souza.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Indefinido

Ah se a realidade acompanhasse os desejos!
A brisa dos ventos sempre viria para amenizar o calor do verão
O sol seria sempre ameno
A chuva fresquinha viria só para refrescar o entardecer
E logo partiria deixando o sorriso no céu representado por um arco-íris

Se a realidade acompanhasse os desejos
A incerteza seria substituída por uma palavra definitiva
O sim na ausência do não, deixando longe o talvez, o deveria ou o poderia
Mente despida de inseguranças

A realidade em sincronia com os desejos
Abriria caminhos seguros para os pés descalços sentirem o chão fofo sem armadilhas
De peito exposto e braços abertos
Correria ao encontro do bem-estar

Realidade...desejo
Perspectiva...resultado
Beijo não existe sem os lábios e seu alvo
Um corpo sozinho não dá ou recebe abraços
A mente como um avião, bombardeia torpedos que caem no coração
Pensamentos explodem em sentimentos
Peito preenchido hora com o bem...
...outrora não

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Com sentidos

Somos movidos pelos sentidos
E uma imagem delicada despertou meu olhar
Para depois desencadear uma série de sensações
Até então desativadas:

A visão trouxe interesse
Do interesse emergiu ansiedade
Da ansiedade partiu a coragem
Com a coragem vieram as palavras
As palavras tornaram-se um convite
O convite estabeleceu o contato

E graças ao sentido primordial da visão
A pele sentiu o contato
O nariz suavizou-se em aromas
Nos ouvidos a doce melodia da voz
As mãos propiciaram afagos
Os corpos forjaram abraços
Os lábios regados em beijos
E o homem assim contemplado.

domingo, 26 de abril de 2015

A bela

Assim se fez poesia
Desta vez
Voltado a si
Pensamento convexo

A bela sozinha
Em uma noite fria
Voltada em si
Em seu universo

Sentir-se também traz tristeza
Que ela venha
Eu faço mais versos

No mundo não há só beleza
Mas ela aparece
Com o brilho do sol
Com sorrisos sinceros

E quando a beleza emergir...
Estenderei minhas mãos
Ouvindo ao fundo um rouxinol
Contemplando a imagem desfrutando o som


segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Yin-yang

Talvez a vida,
ou o destino
ou o azar
ou a coincidência
ou o acaso,
ou o carma
ou a premeditação
podem explicar a origem da paulada que deram-lhe pelas costas

Agora após o susto
sente uma dor crescente
seguida por sensações e sentimentos diversos
confundindo o pensamento

Restabelecido e vivo
Continuou o caminho sem grandes prejuízos
Até quando tropeçou na armadilha que a ele prepararam
Amorteceu a queda com a palma das mãos
Ralando a pele mas protegendo o rosto
Levantou-se e limpou as mãos que ardiam

Respirou fundo e continuou
Com a certeza que o caminho é tortuoso
Quase sempre difícil
Com muitos obstáculos e surpresas
Continuou o caminho por saber que muitas vezes
o bem o tocará
Distanciando os traumas
Proporcionando prazer

Viver bem requer força, superação, preparo, sabedoria para lidar com o mau na ausência do bem
Buscar o bem nas situações ruins não é simples
Mas tem que ser assim